Blog de Viagens

Salvando Cupons de Desconto no seu Smartphone.

Todo mundo que viajou ou pretende viajar para os EUA já deve ter ouvido falar nos Cupons de Desconto. Nas terras do consumismo, eles são bem conhecidos e com enorme aceitação em quase todas as lojas.

E seu uso é muito simples. Antes de viajar, o caboclo sai à procura dos Cupons de Desconto pelos sites mais diversos (das marcas ou especializados em cupons) e vai imprimindo todos aqueles que pretende usar. Depois, basta apresenta-lo no caixa na hora de efetuar o pagamento das compras e voalá, os descontos são concedidos na hora. 

Nas ultimas viagens, literalmente levei uma pasta de cupons de desconto. Eram tantos que na maioria das vezes acabava por me perder naquele mundo de papeis que desistia de usá-los. 

Wallet App

Wallet App

Mas com o surgimento do aplicativo Wallet da Apple que funciona como uma carteira móvel, carregar esse cupons se tornou algo muito mais simples e fácil de usar. Nele, você pode armazenar no seu telefone não só os tickets dos Cupons de Desconto, como cartões de fidelidade, cartões de presente, ingressos de cinema, passagens aéreas, reservas de hotéis e muito mais – tudo em um só lugar.

Funciona como um organizador, ideal para viajantes. O Wallet diminui a papelada que temos que carregar e facilita em muito na nossa vida, mantendo em um só lugar nossas reservas, bilhetes, cartões de fidelidade e demais itens.

Por isso, vou utilizar este post para tentar explicar o passo a passo para adicionar os cupons de desconto no app Wallet e lhe ajudar a economizar uma boa grana nas compras na próxima viagem para os EUA.

Quem tem?
O app Wallet é nativo (aplicativo que vem de fábrica) e está disponível para iPhone ou iPod touch usando iOS6 ou mais atuais. Ele deve aparecer como um dos aplicativos na tela inicial.

Por que você deve usá-lo?
Além da enorme conveniência como já citado, (chega de carregar papéis com reservas de hotéis, bilhetes de embarque, pastas com cupons de descontos, cartões de fidelidade, que acabam por se perder nas bolsas e carteiras), o app é super fácil de usar. Basta apresentar o ticket virtual diretamente do seu celular ao caixa e/ou atendente, que realizará a autenticação do mesmo através de um leitor ótico .

O que é isso?
Realmente pensar nisso como uma carteira. Seu Passbook começa vazio e você decide o que colocar dentro de sua “carteira”. É simplesmente um aplicativo de armazenamento. Você terá que adicionar promoções e cartões de aplicativos de terceiros e sites.

Como você adicionar os Cupons de Desconto na Carteira Digital?

O app começa vazio e é você que deve inserir os tickets na “carteira”. Procure pelo aplicativo Wallet em seu celular. Um ótimo local para achar os cupons é através dos aplicativos de cupons de desconto. Procure na Apple Store por app utilizando o termo “Coupons” (cupons em ingles), e lhe será mostrado diversos app com essa finalidade. Alguns exemplos de app são: The Coupons App, Coupons.com App, Orlando Coupons App e por ai vai. Após instalar, basta procurar pelas ofertas que você verá uma opção “Adicionar ao Passbook” (passbook é o nome antigo do app Wallet), ao lado de cada um. Escolha a oferta que você gostaria e, em seguida, clique em “Adicionar” ou Salvar na Wallet. Agora o ticket do seu Cupom de Desconto vai aparecer na sua carteira virtual.

adicione-a-passbook

O que mais você pode acrescentar?
Hoje, quase todas as companhias aéreas permitem que você armazene seu cartão de embarque no Wallet. Com isso, temos uma coisa a menos para nos preocupar durante a viagem sem ter que fazer malabarismos com as bolsas, malas, carteiras. E para adoçar o negócio, quando você chegar ao aeroporto, com o serviço de localização ativado, o Wallet detecta a sua localização e seu cartão de embarque aparece na sua tela de bloqueio, pronto para ser usado a um toque de dedo.

Cartão de Embarque da Tam

Cartão de Embarque da Tam

Quem mais usa Wallet?
No Brasil, a maior adesão ao app ainda são das Cias. Aéreas. Quase todas já disponibilizam seus bilhetes pelo aplicativo. Mas a cada dia mais empresas começam a permitir a utilização dos tickets para o Wallet. Nos EUA hoje, além dos Cupons de Desconto, você já pode baixar aplicativos habilitados para o Wallet como a Starbucks, Target, The Home Depot, Pinkberry, Sephora e Walgreens; comprar ingressos que são salvos diretamente no app pelos sites de bilhetes como Fandango, Ticketmaster.

Algumas dicas de uso do Wallet:  
• Se tiver problemas para leitura dos tickets dos cupons de desconto, pode ser por causa do nível de brilho em seu telefone. Para ajustar, vá até “Configurações”, clique em “Tela & Brilho” e use o controle deslizante para tornar a sua brilhante exibição.

• Se os tickets baseados em localização (como cartões de embarque) não aparecem automaticamente na sua tela de bloqueio, pode ser por que “Serviços de Localização” esteja desativados. Vá para “Configurações” e selecione “Privacidade” para acessar o status de seus Serviços de Localização e o ative.

 
• Para apagar os cupons de desconto vencidos ou já utilizados, ou qualquer outro ticket? Clique no ícone “i” de informações no canto inferior direito do ticket que surgirá a opção para apagar.

Florianópolis / SC – Um final de semana com os “Manezinhos da Ilha”

Como alguns já sabem, este blog tem alguns colaboradores permanentes e entre eles a Gabriela. E graças a ela, este viajante aqui vem tendo a oportunidade de rodar um pouco por este Brasil varonil. Explico: A Gabi, optou por uma nova profissão, qual seja, “concurseira”. E começamos com o pé direito nessa história! A 1ª prova foi realizada em São Paulo e a 2ª em Florianópolis /SC. E nesse post contarei um pouco de como foi nossa passagem pela Ilha dos Manézinhos.

Ponte Hercílio Luz

Ponte Hercílio Luz

Como fiel escudeiro e viajante que sou, não poderia perder as oportunidades que ela me ofereceu de acompanhá-la, mesmo que por 1 ou 2 dias apenas! Hehehe…

Em pouco mais de um ano, já estivemos em São Paulo, Florianópolis e logo logo estaremos em Fortaleza para mais uma prova! Combinamos, que sempre tentaremos estender a estadia na cidade para depois do dia da prova (p/ que nada atrapalhe a concentração e a preparação dela para a prova) e assim estamos fazendo.

E foi assim, que acabei por conhecer um dos locais mais encantadores do nosso País! Florianópolis, uma cidade maravilhosa!

Ficamos hospedados no Hotel Ibis Florianópolis (review do hotel AQUI). Muito bem localizado, no Centro da cidade de Florianópolis, o hotel possui um ponto de táxi bem na frente, com opções de restaurantes, bares, supermercado, entre demais serviços bem próximos. A rede Ibis enquadra-se naquele quesito BBB (Bom, Bonitinho e Barato). É uma opção sem muitos riscos de errar quanto a prestação dos serviços básicos de um hotel e sempre nos atende muito bem.

Chegamos a Ilha de Florianópolis na sexta feira por volta das 18hs. O aeroporto fica um pouco afastado do centro da cidade e acabamos sofrendo com a “hora do rush”. Vale lembrar que Florianópolis é uma Ilha, e assim como Vitória (onde moramos), sofre com os horários de pico por não possuir muitas alternativas de entrada e saída da Ilha.

Já acomodados, partimos para um pequeno reconhecimento da área ao entorno do Hotel como de costume. Acabamos por realizar um lanche numa padaria muito charmosa (ela possui uma enorme mesa comunitária) a algumas quadras do nosso Hotel, de nome “O Padeiro de Sevilha” e retornamos ao hotel para descaçar.

O Padeiro de Sevilha

Padaria O Padeiro de Sevilha

Como a Gabriela realizaria a prova no Domingo, tínhamos o sábado pela manhã para conhecermos a região central de Florianópolis e a segunda-feira para nos aventurarmos em algum passeio. E assim o fizemos, como vc´s verão adiante!

Como o hotel fica muito bem localizado, estávamos próximos a diversos pontos turísticos, e logo pela manhã de sábado saímos batendo perna pelo centro de Florianópolis. Do hotel, caminhamos até a Ponte Hercílio Luz, passando pelo Parque da Luz (um grande parque urbano da cidade), que possui um mirante com uma vista espetacular.

Parque da Luz

Parque da Luz

Mirante do Parque da Luz

Mirante do Parque da Luz

 

Da ponte, seguimos em direção a Praia de Fora e seu calçadão que conta com uma ótima ciclovia. Infelizmente a praia hoje é impropria para banho, mas o visual e a caminhada pelo calçadão compensam! Cansados depois de tanto caminhar com o sol a pino, sentamos no Quiosque da Praça de Portugal e desfrutamos de uma cerveja gelada. O local estava bem cheio e no dia serviam um feijão tropeiro que estava com um cheiro espetacular.

No Quiosque, conhecemos uma figura singular! O Theo… Um cachorrinho simpático que acompanhava seu dono na cestinha de uma bicicleta, todo preparado para o passeio! O Theo fez um sucesso no quiosque e é obvio que registrei sua presença, confiram abaixo:

Theo

Theo preparado para o passeio

Com as energias recuperadas, caminhamos pela Praia de Fora até o Beiramar Shopping, considerado um dos mais tradicionais de Florianópolis. Aproveitamos para almoçar por lá, já que nosso próximo destino seria o Mercado Público de Florianópolis e já sabia que os restaurantes do mercado estariam fechados, uma vez que o local passa por reformas.

Na região em que está localizado o shopping, vimos ótimas opções de bares e restaurantes, e acabamos por descobrir que os entornos das Ruas Bocaiúva e Rua Altamiro Guimarães ferve nas noites de Florianópolis, com uma vida noturna agitada. Assim, optamos por voltar ao local outro dia à noite.

Como disse, do shopping, pegamos um táxi e seguimos até o Mercado Central de Florianópolis.

Mercado Público de Florianópolis

Mercado Público de Florianópolis

O Mercado, fica ao lado do Largo da Alfândega (praça do centro histórico de Florianópolis). Foi construído em 1898 e conta hoje com duas alas. Infelizmente pegamos a ala Sul fechada para reformas e a previsão é que fique assim até o fim de 2015. Nela ficam localizadas as peixarias, algumas lojas de pesca e principalmente os bares e restaurantes do mercado, famosos por servir as ostras e pratos típicos da cidade. A ala Norte é composta por diversas lojas que vendem desde calçados a artesanatos, acessórios e artigos de decoração.

Loja no Mercado Público de Florianópolis

Gabi apaixonada pelas pantufas no Mercado Plúbico de Florianópolis.

O restaurante mais badalado do Mercado, é o Box 32, sendo um dos bares mais famosos da cidade de Florianópolis. Como não experimentamos, vou ficar devendo mais informações.

Um pouco mais adiante, entramos no Camelódromo de Florianópolis.  Pense num mundo de bugigangas?! Hehehe… Então este é o lugar. Ideal para encontrar algumas capinhas de Smartphone entre outros acessórios.

Chegávamos o fim do dia. Já cansados, resolvemos voltar ao Hotel para descaçar e comer algo mais a noite para dormir cedo. A prova da Gabi se aproximava e o principal motivo de nossa viagem era esse. Deixo para contar no próximo post (que juro, não irá demorar tanto quanto este), nosso passeio pelas Dunas de Joaquina e Lagoa da Conceição, com algumas dicas de restaurantes, locação de carro em Florianópolis entre outras.

Até logo…

 

 

Incrível Word Lens – App da Google que traduz imagens em tempo real!

Viajantes, corram!!!

A Google acaba de comprar o app Word Lens e liberá-lo gratuitamente por tempo limitado.

O Word Lens nada mais é do que um aplicativo impressionante que realiza a tradução de línguas estrangeiras em tempo real utilizando-se da câmera do seu Smartphone (Iphone e Androide).

O app Word Lens foi criado ainda em 2010 pela empresa Quest Visual. A época de sua criação, a descrença seria o melhor adjetivo para qualificá-lo. Um aplicativo que conseguiria traduzir diversos idiomas em tempo real, usando apenas a câmera de um Smartphone? Bem, o app chamou tanto a atenção das grandes empresas que acaba de ser comprado por alguns milhões pela Google. 

Imaginem-se viajando para um país com língua bem complexa! Basta apontar seu celular para placas, cardápios, revistas, mapas e VOILÀ: as palavras são traduzidas instantaneamente na tela de seu aparelho!

Atualmente, os usuários podem traduzir entre Inglês e  as línguas Português, Alemão, Italiano, Francês, Russo e Espanhol. 

E fica muito fácil entender porque o Google comprou o App. Já imaginaram esse aplicativo instalado no Google Glass? Onde basta você olhar para um local com os óculos e já enxergá-lo “traduzido instantaneamente”!?!?! Com este app, isso já é possível, ou seja, a Google caminha a passos largos para atingir seu objetivo de tornar o mundo inteiro conectável e traduzido.

E talvez o maior de todos os benefícios do app? Ele não precisa de uma conexão na internet para realizar as traduções! A maior vantagem para viajantes que por muitas vezes não conseguem traduzir algo pela falta de sinal de internet.

Mas o Word Lens não é perfeito. Tem alguma dificuldade para traduzir textos especialmente estilizados, e as traduções por vezes aparecerão com alguns erros ocasionais, assim como o próprio Google Translation. No entanto, em sua maioria, ele irá conseguir ao menos lhe fazer entender a tradução. Melhor entender uma placa má traduzida, do que uma placa em Russo, certo? Hehehe… 
Busca Visual

Crédito: Quest Visual

Até agora a Google não está cobrando pelo download do app, que foi anunciado no site da Quest Visual. Nem ela nem a Google dão maiores detalhes sobre o futuro reservado ao Word Lens, e dizem apenas que o aplicativo e os pacotes de linguagem são “gratuitos para download por tempo limitado”. Esses pacotes de idiomas anteriormente custavam U$ 3,00 cada.

O aplicativo pode ser baixado na App Store para o Iphone e Ipad. As traduções estão disponíveis através de uma compra dentro do próprio app e como mencionado, ainda estão gratuitas.  Também está disponível no Google Play Store para usuários Android. Como não se sabe por quanto tempo o Word Lens ficará disponível gratuitamente, é recomendável que você faça o download o quanto antes. Sem sombra de duvidas, pele passa a ser um App indispensável aos viajantes.

 Baixou o App? Utilizou o Word Lens em alguma situação ou ele te ajudou de alguma forma na sua viagem? Conte p/ gente nos comentários abaixo!

“Micos no Exterior”

Pelas pesquisas na Net, achei um artigo no site “UOL”, no qual as pessoas contam alguns micos no exterior que já passaram.

Sabemos que essas gafes são frequentes e quase sempre engraçadíssimas, valendo boas risadas. Quem nunca entrou numa roubada daquelas?!

Por isso convido os corajosos de plantão a se manifestarem através dos comentários!

Quem aqui já pagou um mico no exterior???

A título de exemplo, uma experiência com minha família e uma que peguei no artigo:

“No final de 95, fui com a família (pais e irmãos) para Orlando/Disney passar o Natal e Reveillon. Fechamos o pacote com uma antiga agência de viagem. Simplesmente não conhecíamos nada em Orlando e fomos na cara e na coragem. Bom na chegada a Miami, o primeiro mico: a família inteira só arranhava o inglês e ninguém, absolutamente ninguém conseguia nos entender! rsrs… Para pegar o carro na locadora um tormento, pois nossa reserva não constava. Mas depois de resolvido o problema, partimos para o hotel, e ai talvez a maior roubada de todas… Como não conhecíamos nada, fomos colocados pela agência em um hotel dentro daqueles bairros super barra pesada, os famosos guetos americanos e simplesmente morríamos de medo de até por a cara p/ fora do hotel. Era correr do quarto para o carro, do carro para a rua e pronto… Ai, eram mais algumas horas e horas completamente perdidos (que falta que um GPS fez aquela época! rsrs). Mas é obvio que mesmo com todos os micos e roubadas a viagem foi incrível e inesquecível!!!”

“O final da copa de 1994, eu estava LOUCA de felicidade no dia da final, e quando o Brasil ganhou, peguei um ônibus para um dos parques da Disney (estava na Flórida), toda de uniforme da seleção! Quando a porta do ônibus abriu, o motorista me estendeu a mão e eu disse “oh, thank you, thank you” (acreditando que ele estava me dando os parabéns pela vitória!!!!) Na verdade, ele estava pedindo para que eu me afastasse e aguardasse as pessoas saírem, para só então entrar… Que vergonha!!!!!!”

EDITADO EM 16/04/2014:

Amigos viajantes, o tempo passou, novas viagens ocorreram e os micos no exterior não param! Hehehe… Assim, resolvi editar esse post para incluir aqui um novo mico que passei com alguns familiares:

“Ainda em Orlando/FL, só que dessa vez em Fevereiro de 2013, estávamos novamente numa turma que tinha como costume deixar tudo preparado na noite anterior. Assim, arrumávamos mochilas, garrafinhas d’água, lanches, tudo na noite anterior à ida ao parque. E não era diferente com os ingressos! Tínhamos o costume de guardar no cofre do quarto do hotel o ingresso utilizado naquele dia e a noite já separar os ingressos do dia posterior, para que não corrêssemos o  risco de esquecê-los no hotel. Ocorre que, depois de um dia bem divertido e cansativo, como de costume nos parques da Disney, vi que os ingressos para o parque estavam em cima da bancada do quarto. Como quase todos já estavam deitados, resolvi então fazer a troca e já deixar separado os ingressos do dia posterior, e assim o fiz. 

Disney

No outro dia bem cedo, partimos para o Universal Park, que p/ mim é um dos mais divertidos parques de Orlando. Caminho no GPS, todos arrumados, mochilas nas costas, partimos! Ingressos na mão, paramos nas cabines do estacionamento para pagar, quando do nada o Antonio (meu cunhado, que vc´s já conhecem de alguns outros post’s) grita lá do fundo do carro: ‘Uai, vamos para o Sea World ou para o Universal???’

Hauhauhauhua… Desespero total, ninguém entendeu nada e até a ficha cair do que aconteceu, foram minutos e mais minutos de muita gargalhada! O que os ingressos do Sea World estavam fazendo no envelope dos ingressos?? Foi quando meu sogro questionou: “Gente, ontem a noite antes de dormir, guardei esses ingressos e já peguei o dos Universal, tenho certeza! O que será que aconteceu???

Bom vocês já sabem né! Esse que vos escreve, não sabendo que os ingressos já haviam sido trocados, foi lá e destrocou tudo, colocando os do Sea World de novo na bancada! Fui obrigado a confessar a lambança, o que gerou ainda mais gargalhadas e perdemos alguns bons minutos tendo que retornar ao hotel para destrocar os ingressos!”

Um belo mico, sem sombra de dúvidas!

Ares Portenhos – Câmbio em Buenos Aires?!

Notas e Moedas do Peso Argentino

Notas e Moedas do Peso Argentino

No nosso primeiro post sobre a viagem para Buenos Aires, fiz um comentário que intrigou alguns leitores: Porque cheguei a pensar em suicídio (vc´s verão que não sou nada melodramático) ao conhecer um brasileiro que trabalhava com câmbio em Buenos Aires. Bom, com esse post tentarei explicar os acontecimentos e buscarei pelo menos ajudar as viajantes a decidir o que é melhor, peso ou real!

Conosco, depois de muito ler e pesquisar sobre o que seria melhor para a viagem, optamos por realizar o câmbio no banco La Nación ainda no Aeroporto de Ezeiza, casa de câmbio que um dia já teve fama de ser a melhor opção para troca de moedas. Não realizei toda a troca por lá, já que li também em alguns blogs e sites, que o câmbio realizado diretamente nos bares e restaurantes, compensava, como veremos adiante.

E o grande problema de se viajar para Buenos Aires é que além do câmbio oficial, agora há também o tal do câmbio paralelo (câmbio negro), piorando ainda mais a situação, o fato de existirem varias maneiras de se realizar a troca de moeda, tais como: casas de câmbio ainda no Brasil, casas de câmbio oficiais lá em Buenos Aires, nos caixas eletrônicos de lá e de maneira informal nos “câmbios paralelos”. Além disso, como disse inicialmente, você consegue realizar algumas compras pagando em real ou até mesmo em dólar, ao invés da moeda local. E é ai que entrou meu desespero!!!

Como li em diversos lugares que o “câmbio paralelo” pode vir a ser perigoso devido a grande falsificação do peso argentino, realizei a troca do real pelo peso quase que todo no banco La Nación. Mas reservei um pouco de real para testar as duas outras modalidades de câmbio, tanto no mercado paralelo, como pagando compras em reais. E vou lhe dizer… se arrependimento matasse!

Casa de câmbio do Banco La Nación no aeroporto de Ezeiza

Casa de câmbio do Banco La Nación no aeroporto de Ezeiza

Em rápida procura na internet sobre como realizar o melhor câmbio, você logo vê que as casa de câmbios oficiais, hoje em dia quase não são mais utilizadas. Como já é de conhecimento geral, a economia da Argentina vai de mal a pior e o governo da Presidenta Kirchner acabou impondo pesadas restrições aos portenhos quanto à possibilidade de compra de dólar. Tudo isso para tentar evitar a enxurrada de dólares. Com isso, acabou-se por criar um mercado paralelo muito forte, sendo esta a melhor e talvez única forma que os argentinos encontraram para realizar o câmbio, burlando as restrições impostas. Um tipico “jeitinho portenho”! hehehe…

Além disso, com o mercado paralelo, alguns restaurantes, lojas e até hotéis, passaram a aceitar o pagamento em reais e/ou dólares, ao invés da moeda argentina. E nesse caso, pelo menos quase que sempre com a gente, as cotações eram extremamente mais vantajosas. A título de exemplo, uma parte da conta do hotel (a conta do café da manhã que era pago a parte), resolvi pagar com reais, e consegui a cotação de 1 Real = 3,70 Pesos. Ai, vai de cada um, optar ou não por andar com duas ou até três tipos de moedas diferentes na carteira. Ocorre que, esse pagamento em real bem como o câmbio no mercado paralelo, só deixei para fazer no ultimo dia, com medo de que algo desse errado. E foi ai vi o quanto perdi de dinheiro.

Como sabia que o local mais seguro para se realizar o câmbio era no Banco La Nación dentro do Aeroporto, e que ele ficava aberto 24hs por dia, deixei para realizar o câmbio todo por lá, não adquirindo nenhum peso argentino ainda no Brasil, pois a cotação estava ainda pior:

  • Câmbio no Brasil – R$ 1,00 = ARS$ 2,20
Na calle Florida vc encontra varias casas de câmbio

Na calle Florida vc encontra varias casas de câmbio

E já em Buenos Aires, nas casas de câmbio oficiais, os valores variavam bastante, mas acabei realizando a troca ainda no aeroporto, pois chegamos na cidade por volta das 22hs da noite. Assim, só a casa de câmbio no aeroporto estaria aberta. Mas os valores em Setembro de 2013, data que fiz as pesquisas, eram os seguintes: 

  • Câmbio Banco de La Nación

1 real = 2,36 pesos
1 dólar = 5,70 pesos

  • Câmbio Rua Florida

1 real = 2,37 pesos
1 dólar = 5,72 pesos

Uma outra possibilidade é realizar o saque com seu cartão de débito brasileiro nos caixas eletrônicos de Buenos Aires, já sacando em moeda local (pesos). Mas essa era a opção menos interessante, com a cotação do peso argentino oficial. Mas vale como uma emergência, caso precise de algum dinheiro de ultima hora.

Mas é agora que vocês entenderão o desespero! Rsrsrs… Vamos falar do câmbio paralelo. Como disse no primeiro post, só realizei a troca de moedas no câmbio paralelo no penúltimo dia com alguns poucos reais que haviam sobrado. Quem nos indicou o local, foi um vendedor BRASILEIRO de uma simpática adega na Rua Tucumán próxima a Calle Florida, no Centro de Buenos Aires. Não me recordo (infelizmente) do nome da Adega e do nome do rapaz. Ele nos levou até um guia também brasileiro, que possui uma pequena agência numa Galeria onde comercializa pacotes de atrações turísticas (shows de tango, zoo de Lujan, passeio pelo Rio Tigre, etc) entre outras coisas, como o próprio câmbio paralelo, trocando o dinheiro com turistas. Foi com ele que consegui ótimos valores para realizar o câmbio em Buenos Aires. A galeria onde fica localizada a Agência fica bem na frente da Adega na rua Tucumán, no ultimo andar (subsolo).

  • Câmbio Agência de Viagens na Galeria

1 real = 3,50 pesos
1 dólar = 9,00 pesos

Notaram a diferença??? A cada 1 peso que troquei junto ao Banco La Nación, perdi 1,15 pesos no câmbio paralelo. Não parece muita coisa, mas somando tudo ao final da viagem, foi uma diferença de mais de 1.140,00 pesos! É ou não é para se matar??? Hauhauhauhaua… Se fosse em dólar então, a diferença seria ainda maior!!! No restaurante e hotel, onde paguei com reais, a cotação foi ainda maior, conseguindo realizar a troca de 1 real por 4 pesos a 4,30 pesos.

O local onde trocamos o dinheiro no paralelo é bem tranquilo e todas as notas que recebemos eram verdadeiras (esse é o grande problema do câmbio paralelo). Se existem locais melhores e com cotações ainda melhores? Não sei, provavelmente sim, mas preferimos não arriscar. No mesmo local, aproveitamos para comprar os ingressos do show de tanto (Madero Tango), que adoramos e será motivo para um novo post logo logo. Também foi disparado o melhor preço que encontramos por toda Buenos Aires.

Galeria na Rua Tucumán

Galeria na Rua Tucumán

Existem ainda, alguns sites que lhe mantem atualizado da cotação do câmbio em Buenos Aires. Tanto no paralelo – que recebem o nome de “real blue” – quanto no oficial. Um site que utilizei para olhar essa cotação é o DolaarBlue. No site você consegue ter uma noção do valor do câmbio paralelo. Vale lembrar ainda, que quanto mais dinheiro se troca, melhor a cotação. Uma boa dica é deixar para realizar a troca em apenas um local e se estiverem viajando em mais de uma pessoa, juntando todos os valores.

Por fim, vale uma última dica! AS NOTAS FALSAS!!!

Com o câmbio paralelo, o que se viu foi uma enxurrada de pesos argentinos falsos pela cidade de Buenos Aires. E as notas mais falsificadas são as de alto valor, ou seja, as de 50 e 100 pesos. Como a identificação não é tão fácil, é capaz até mesmo de uma nota falsa circular por sua mão e você nem tomar conhecimento. O “golpe” mais conhecido em Buenos Aires, para troca dessas notas falsas são os aplicados pelos taxistas, onde você paga a corrida com uma nota de 50 ou 100 pesos verdadeira e, de forma quase que imperceptível, ele devolve uma nota semelhante a que você deu, dizendo que você está tentando pagar a corrida com uma nota falsa. Ou seja, ele embolsa a nota legitima que você deu, e lhe devolve uma nota falsa, lhe obrigando ainda a pagar a corrida novamente.

Existem algumas dicas para conferir as notas, mas elas não são 100% seguras. Mas sempre que estiver com uma nota alta nas mãos, confira se são verdadeiras. Você irá reparar que isso é um hábito comum entre os portenhos, quando lhes for entregue uma nota de 50 ou 100 pesos.

As dicas para conferir as notas verdadeiras são:

Nota de 100 pesos!

Nota de 100 pesos!

Ambas as cédulas de 50 e 100 pesos possuem uma tarja prateada que aparentemente são pontilhadas, como pode ser visto na imagem acima (fio de segurança), onde existe vários pequenos números brilhantes em sua extensão. Além disso, ao olhar contra a luz, é possível ver a marca d’água das cédulas, assim como fazemos aqui no Brasil. Existem ainda impressões na nota em alto relevo, bem como a utilização da tinta iridescente que muda de cor, com a mudança do ângulo de visão (por isso as pessoas além de colocá-las contra a luz, movimentam a cédula de um lado para o outro).

E você? Nos diga qual foi sua opção de câmbio em Buenos Aires. Real, Pesos ou Dólar? Onde fez a troca e como foi? Deixe seu comentário!!!