Blog de Viagens

Category Archives: Uncategorized

Sempre me perguntei como o turismo no Brasil é tão caro?!?! Porque um país como o nosso, de diversidade continental, com quase 7.500 quilômetros de costa de lindas praias, flora e fauna únicas, culinária e paisagens que arrancam suspiros de visitantes, não consegue decolar?

Seria talvez por termos um dos turismos mais caros do planeta? Ou por falta de apoio do Governo e da criação de um plano nacional nesse sentido?

Fato é, que nem mesmo a escolha do nosso país para sediar Copa do Mundo e Olimpíadas funcionou para alavancar o turismo brasileiro e melhorar nossa imagem no exterior.

Para se ter uma ideia desse “turismo no Brasil tão caro”, encontra-se quase que frequentemente nas agências de viagens pacotes promocionais para países como Estados Unidos e alguns da Europa, já inclusos passagem aérea, hotel e até mesmo carro alugado pelo preço de uma simples hospedagem em hotel 3 estrelas no Brasil. Quem nunca viu aquelas promoções fantásticas em sites de viagens, ou aquelas brincadeiras de que “é mais barato comprar passagem, hospedagem e um iphone novo lá nos EUA, do que comprar o Smartphone aqui no país.

Como exemplo, um pacote de quatro dias, com hotel e voo para o Rio de Janeiro custa 1,5 mil euros (cerca de 4,5 mil reais) numa agência alemã. Em contrapartida, o mesmo pacote para Pukhet, na Tailândia, custa a metade: cerca de 700 euros. Em voo direto, os dois destinos levam cerca de 11 horas a partir de Frankfurt.

Ou seja, quando se compara as opções de turismo no Brasil, levamos um susto. Hoje, viajar para o exterior custa praticamente a mesma coisa que passar uma semana no Nordeste Brasileiro ou Sul do País. E olha que o governo brasileiro criou diversas formas de frear os gastos no exterior, aumentando IOF por exemplo. O turista, antes de mais nada, é muito pragmático e faz a conta. Se chega-se à conclusão de que a Tailândia é mais barato do que o Brasil, bora para a Ásia, e não para a América do Sul.

Segundo a OMT – Organização Mundial do Turismo, o Brasil foi o 42º do mundo em número de visitas de estrangeiros, com aproximadamente 6.4 milhões de turistas. Mesmo com a Copa do Mundo, ficamos atras de países como Ucrânia (12.7 milhões) e Bahrein (10.4 milhões). Vale lembrar ainda, que em 2012 e 2013 ficamos atrás dos nossos vizinhos hermanos Argentinos.

Ou seja, se compararmos nossos vizinhos, hoje o Brasil encontra-se à frente, mas muito aquém de seu potencial turístico, guardadas as proporções e belezas do nosso país. Não restam duvidas que pelo nosso tamanho e atrações que poderíamos proporcionar, deveríamos receber muito mais turistas em comparação aos demais países da América do Sul, fato este que não acontece.

Economicamente falando, somos a 10ª potência mundial, gerando recursos ligados ao turismo de aproximadamente US$ 77,4 bilhões. Mas olhando o cenário mundial, também ficamos para trás na industria turística mundial. Segundo dados da OMC, a Industria do Turismo em 2015, ficou atrás apenas da Industria Petroquímica e da Industria de Produtos Químicos, gerando uma movimentação financeira de US$ 7,6 trilhões e uma exportação mundial de US$ 1,52 bilhões.

Industria do Turismo em bilhões

E aqui vale uma observação importante: Trata-se da única “economia verde” entre as 5 maiores industrias mundiais, capaz de gerar o mínimo de impacto ao meio ambiente, como amplamente discutido na RIO +20, devendo ser enxergado pelos gestores públicos como um grande fator de desenvolvimento econômico. A título de exemplo, vale novamente mencionar a Ucrânia, que assim como a Turquia, incluíram ações de incremento ao turismo em suas agendas e vêm atraindo um número crescente de visitantes. Entre 2006 e 2016 a Ucrânia e a Turquia aumentaram a recepção de turistas de 19 milhões para quase 40 milhões juntos e ficaram entre os 10 principais destinos do mundo.

Ocorre que, na contramão desses fatos, o Governo Brasileiro diminuindo drasticamente seus investimentos no Ministério do Turismo desde 2011, com um pequeno aumento durante a Copa do Mundo, mas com um drástico corte em 2015 de 73%, exatamente 1 ano antes das Olimpíadas, inviabilizando qualquer investimento significativo no setor.

Mas para especialistas no assunto, há problemas que vão muito além da questão orçamentaria. Entre os principais fatores que prejudicam o turismo brasileiro estão a distância em relação aos grandes polos emissores, como EUA e Europa, a gigantesca carga tributaria, que acaba elevando o preço das passagens, hotéis e serviços, a falta de investimento publicitário no exterior, a valorização do real (para com nossos vizinhos) e a falta de acordos com países no que se refere a necessidade de visto.

Destaco nesses pontos, a nossa carga tributária! Sendo uma das maiores cargas tributárias no mundo, o impacto gerado no preço final das passagens, diárias de hotel, cardápios entre outros serviços é avassalador.

Some a isso, o fato dos nossos vizinhos não possuírem capacidade para enviar turistas ao nosso País, como ocorre no por exemplo entre os países europeus.

Assim, não nos resta outra alternativa que desonerar o setor, com a diminuição da carga tributaria que aflige as empresas aéreas, hotéis, restaurantes e toda a cadeia do turismo. Uma mudança radical de mentalidade de nossos governantes, com investimentos em infraestrutura, desoneração da carga tributária, desenvolvimento de políticas públicas de incentivo ao turismo e divulgação do nosso país mundo afora, são as alternativas que nos restam para alavancar o turismo nacional.

Tem alguma coisa errada e o governo precisa rever a sua política para o setor.

Curiosidades sobre o turismo mundial


Olá viajantes! E depois de muito tempo inativo, aos poucos vou tomando coragem e volto a futucar aqui no blog. A dúvida se devo mantê-lo ou não é constante e muito disso pela falta de tempo em me dedicar as edições dos post’s. Além disso, a facilidade das demais redes sociais tais como o Instagram e Facebook só auxiliam a aumentar essa dúvida. Porque não manter o “blog” somente nelas, com fotos e dicas diretas aos seguidores, é um dos pensamentos que vivem me permeando?!?!

Fortaleza (2)

Vista da orla de Fortaleza

Mas hoje não, hj nãooo! Resolvi escrever! E vou tentar contar um pouco da nossa saga em Fortaleza – CE.

O post faz parte da série “Viagens p/ concurso” e chegamos na cidade de Fortaleza de madrugada, graças a falta de voo direito partindo de Vitória.

E por um equívoco meu (é gente, blogueiro de viagem as vezes erra em seus roteiros, hehehehe!) tivemos que esperar pelo horário de check-in no Hall do hotel. Ou seja, dormimos sentados nos sofás da recepção do hotel, até que pudéssemos ir ao nosso quarto.

E a longa espera, terminou com um banho de piscina bem cedo, que acabou por se tornar muito agradável. Entramos no quarto por volta das 10 hs!

Psicina Fortaleza (2)

Piscina do Hotel

Por volta do meio dia, já descaçados da viagem e com fome, muita fome, resolvemos conhecer a Praia do Futuro e suas cabanas. A praia fica localizada Seguindo algumas dicas, procuramos por alguma opção mais calma e acabamos ficando na barraca Vojnilô Praia, que sem que soubéssemos possui esse nome em homenagem a um grande cozinheiro das terras capixabas.

O chef de cozinha macedônio Vicente Bojovski do Restaurante Guaramares.  Isso mesmo, o Chef Lúcio Figueiredo, proprietário da barraca, homenageou seu grande amigo e mentor nos pratos carregados de peixes e frutos do mar e deu nome ao seu restaurante com o termo Vojnilô que nada mais é que Vicente em grego.

chef

Chef Lúcio Figueiredo

A barraca é bem sossegada e charmosa, com uma decoração estilosa toda em branco e azul inspirada na Grécia. Experimentamos a Brochete de Peixe e Caranguejo com “pirão de caranguejo”, uma novidade para nós capixabas (que amamos caranguejos, mas só o comemos na “água e sal”)! Fomos super bem atendidos e recomendo a barraca!

Para quem quiser outras opções, existe na Praia do Futuro de um pouco de tudo. Desde barracas gigantescas com palcos para shows e parquinhos para crianças, aquelas bem chiques e as temáticas com decorações remissivas.

Segue uma seleção de algumas outras barracas de vários estilos:

Entre tantas barracas, as que mais me chamaram atenção, além da Vojnilô é claro, foram:

Santa Praia

Ideal para quem quer curtir com família, com várias opções de lazer e esporte. Quadras de beach tênis e vôlei de praia ocupam a frente da barraca, que nos fundos possui charmosas mesas e cadeiras de madeira num grande gramado.

Tel: (85) 3879.5927

Sunrise Brasil

Estrutura moderna, com requinte, boa gastronomia. Na barraca rola sempre alguma balada exclusiva, fique ligado. Existem ainda jacuzzis e, acredite: móveis importados, direto de DUBAI. É pra se sentir VIP!

Tel: (85) 99938.4647

ATENÇÃO: não caminhe no calçadão ou na praia por áreas ermas; há muitos relatos de assaltos. Nas barracas e no seu entorno imediato, porém, a segurança é total (só não deixe seus pertences de bobeira, claro).

Passamos a tarde na Praia do Futuro e retornamos para o hotel por volta das 17hs. Aproveitamos o final de tarde para descansar já que no outro dia, Dona Gabriela tinha prova. Assim, pedimos comida no quarto e dormimos cedo.

 


Todo mundo que viajou ou pretende viajar para os EUA já deve ter ouvido falar nos Cupons de Desconto. Nas terras do consumismo, eles são bem conhecidos e com enorme aceitação em quase todas as lojas.

E seu uso é muito simples. Antes de viajar, o caboclo sai à procura dos Cupons de Desconto pelos sites mais diversos (das marcas ou especializados em cupons) e vai imprimindo todos aqueles que pretende usar. Depois, basta apresenta-lo no caixa na hora de efetuar o pagamento das compras e voalá, os descontos são concedidos na hora. 

Nas ultimas viagens, literalmente levei uma pasta de cupons de desconto. Eram tantos que na maioria das vezes acabava por me perder naquele mundo de papeis que desistia de usá-los. 

Wallet App

Wallet App

Mas com o surgimento do aplicativo Wallet da Apple que funciona como uma carteira móvel, carregar esse cupons se tornou algo muito mais simples e fácil de usar. Nele, você pode armazenar no seu telefone não só os tickets dos Cupons de Desconto, como cartões de fidelidade, cartões de presente, ingressos de cinema, passagens aéreas, reservas de hotéis e muito mais – tudo em um só lugar.

Funciona como um organizador, ideal para viajantes. O Wallet diminui a papelada que temos que carregar e facilita em muito na nossa vida, mantendo em um só lugar nossas reservas, bilhetes, cartões de fidelidade e demais itens.

Por isso, vou utilizar este post para tentar explicar o passo a passo para adicionar os cupons de desconto no app Wallet e lhe ajudar a economizar uma boa grana nas compras na próxima viagem para os EUA.

Quem tem?
O app Wallet é nativo (aplicativo que vem de fábrica) e está disponível para iPhone ou iPod touch usando iOS6 ou mais atuais. Ele deve aparecer como um dos aplicativos na tela inicial.

Por que você deve usá-lo?
Além da enorme conveniência como já citado, (chega de carregar papéis com reservas de hotéis, bilhetes de embarque, pastas com cupons de descontos, cartões de fidelidade, que acabam por se perder nas bolsas e carteiras), o app é super fácil de usar. Basta apresentar o ticket virtual diretamente do seu celular ao caixa e/ou atendente, que realizará a autenticação do mesmo através de um leitor ótico .

O que é isso?
Realmente pensar nisso como uma carteira. Seu Passbook começa vazio e você decide o que colocar dentro de sua “carteira”. É simplesmente um aplicativo de armazenamento. Você terá que adicionar promoções e cartões de aplicativos de terceiros e sites.

Como você adicionar os Cupons de Desconto na Carteira Digital?

O app começa vazio e é você que deve inserir os tickets na “carteira”. Procure pelo aplicativo Wallet em seu celular. Um ótimo local para achar os cupons é através dos aplicativos de cupons de desconto. Procure na Apple Store por app utilizando o termo “Coupons” (cupons em ingles), e lhe será mostrado diversos app com essa finalidade. Alguns exemplos de app são: The Coupons App, Coupons.com App, Orlando Coupons App e por ai vai. Após instalar, basta procurar pelas ofertas que você verá uma opção “Adicionar ao Passbook” (passbook é o nome antigo do app Wallet), ao lado de cada um. Escolha a oferta que você gostaria e, em seguida, clique em “Adicionar” ou Salvar na Wallet. Agora o ticket do seu Cupom de Desconto vai aparecer na sua carteira virtual.

adicione-a-passbook

O que mais você pode acrescentar?
Hoje, quase todas as companhias aéreas permitem que você armazene seu cartão de embarque no Wallet. Com isso, temos uma coisa a menos para nos preocupar durante a viagem sem ter que fazer malabarismos com as bolsas, malas, carteiras. E para adoçar o negócio, quando você chegar ao aeroporto, com o serviço de localização ativado, o Wallet detecta a sua localização e seu cartão de embarque aparece na sua tela de bloqueio, pronto para ser usado a um toque de dedo.

Cartão de Embarque da Tam

Cartão de Embarque da Tam

Quem mais usa Wallet?
No Brasil, a maior adesão ao app ainda são das Cias. Aéreas. Quase todas já disponibilizam seus bilhetes pelo aplicativo. Mas a cada dia mais empresas começam a permitir a utilização dos tickets para o Wallet. Nos EUA hoje, além dos Cupons de Desconto, você já pode baixar aplicativos habilitados para o Wallet como a Starbucks, Target, The Home Depot, Pinkberry, Sephora e Walgreens; comprar ingressos que são salvos diretamente no app pelos sites de bilhetes como Fandango, Ticketmaster.

Algumas dicas de uso do Wallet:  
• Se tiver problemas para leitura dos tickets dos cupons de desconto, pode ser por causa do nível de brilho em seu telefone. Para ajustar, vá até “Configurações”, clique em “Tela & Brilho” e use o controle deslizante para tornar a sua brilhante exibição.

• Se os tickets baseados em localização (como cartões de embarque) não aparecem automaticamente na sua tela de bloqueio, pode ser por que “Serviços de Localização” esteja desativados. Vá para “Configurações” e selecione “Privacidade” para acessar o status de seus Serviços de Localização e o ative.

 
• Para apagar os cupons de desconto vencidos ou já utilizados, ou qualquer outro ticket? Clique no ícone “i” de informações no canto inferior direito do ticket que surgirá a opção para apagar.


Como alguns já sabem, este blog tem alguns colaboradores permanentes e entre eles a Gabriela. E graças a ela, este viajante aqui vem tendo a oportunidade de rodar um pouco por este Brasil varonil. Explico: A Gabi, optou por uma nova profissão, qual seja, “concurseira”. E começamos com o pé direito nessa história! A 1ª prova foi realizada em São Paulo e a 2ª em Florianópolis /SC. E nesse post contarei um pouco de como foi nossa passagem pela Ilha dos Manézinhos.

Ponte Hercílio Luz

Ponte Hercílio Luz

Como fiel escudeiro e viajante que sou, não poderia perder as oportunidades que ela me ofereceu de acompanhá-la, mesmo que por 1 ou 2 dias apenas! Hehehe…

Em pouco mais de um ano, já estivemos em São Paulo, Florianópolis e logo logo estaremos em Fortaleza para mais uma prova! Combinamos, que sempre tentaremos estender a estadia na cidade para depois do dia da prova (p/ que nada atrapalhe a concentração e a preparação dela para a prova) e assim estamos fazendo.

E foi assim, que acabei por conhecer um dos locais mais encantadores do nosso País! Florianópolis, uma cidade maravilhosa!

Ficamos hospedados no Hotel Ibis Florianópolis (review do hotel AQUI). Muito bem localizado, no Centro da cidade de Florianópolis, o hotel possui um ponto de táxi bem na frente, com opções de restaurantes, bares, supermercado, entre demais serviços bem próximos. A rede Ibis enquadra-se naquele quesito BBB (Bom, Bonitinho e Barato). É uma opção sem muitos riscos de errar quanto a prestação dos serviços básicos de um hotel e sempre nos atende muito bem.

Chegamos a Ilha de Florianópolis na sexta feira por volta das 18hs. O aeroporto fica um pouco afastado do centro da cidade e acabamos sofrendo com a “hora do rush”. Vale lembrar que Florianópolis é uma Ilha, e assim como Vitória (onde moramos), sofre com os horários de pico por não possuir muitas alternativas de entrada e saída da Ilha.

Já acomodados, partimos para um pequeno reconhecimento da área ao entorno do Hotel como de costume. Acabamos por realizar um lanche numa padaria muito charmosa (ela possui uma enorme mesa comunitária) a algumas quadras do nosso Hotel, de nome “O Padeiro de Sevilha” e retornamos ao hotel para descaçar.

O Padeiro de Sevilha

Padaria O Padeiro de Sevilha

Como a Gabriela realizaria a prova no Domingo, tínhamos o sábado pela manhã para conhecermos a região central de Florianópolis e a segunda-feira para nos aventurarmos em algum passeio. E assim o fizemos, como vc´s verão adiante!

Como o hotel fica muito bem localizado, estávamos próximos a diversos pontos turísticos, e logo pela manhã de sábado saímos batendo perna pelo centro de Florianópolis. Do hotel, caminhamos até a Ponte Hercílio Luz, passando pelo Parque da Luz (um grande parque urbano da cidade), que possui um mirante com uma vista espetacular.

Parque da Luz

Parque da Luz

Mirante do Parque da Luz

Mirante do Parque da Luz

 

Da ponte, seguimos em direção a Praia de Fora e seu calçadão que conta com uma ótima ciclovia. Infelizmente a praia hoje é impropria para banho, mas o visual e a caminhada pelo calçadão compensam! Cansados depois de tanto caminhar com o sol a pino, sentamos no Quiosque da Praça de Portugal e desfrutamos de uma cerveja gelada. O local estava bem cheio e no dia serviam um feijão tropeiro que estava com um cheiro espetacular.

No Quiosque, conhecemos uma figura singular! O Theo… Um cachorrinho simpático que acompanhava seu dono na cestinha de uma bicicleta, todo preparado para o passeio! O Theo fez um sucesso no quiosque e é obvio que registrei sua presença, confiram abaixo:

Theo

Theo preparado para o passeio

Com as energias recuperadas, caminhamos pela Praia de Fora até o Beiramar Shopping, considerado um dos mais tradicionais de Florianópolis. Aproveitamos para almoçar por lá, já que nosso próximo destino seria o Mercado Público de Florianópolis e já sabia que os restaurantes do mercado estariam fechados, uma vez que o local passa por reformas.

Na região em que está localizado o shopping, vimos ótimas opções de bares e restaurantes, e acabamos por descobrir que os entornos das Ruas Bocaiúva e Rua Altamiro Guimarães ferve nas noites de Florianópolis, com uma vida noturna agitada. Assim, optamos por voltar ao local outro dia à noite.

Como disse, do shopping, pegamos um táxi e seguimos até o Mercado Central de Florianópolis.

Mercado Público de Florianópolis

Mercado Público de Florianópolis

O Mercado, fica ao lado do Largo da Alfândega (praça do centro histórico de Florianópolis). Foi construído em 1898 e conta hoje com duas alas. Infelizmente pegamos a ala Sul fechada para reformas e a previsão é que fique assim até o fim de 2015. Nela ficam localizadas as peixarias, algumas lojas de pesca e principalmente os bares e restaurantes do mercado, famosos por servir as ostras e pratos típicos da cidade. A ala Norte é composta por diversas lojas que vendem desde calçados a artesanatos, acessórios e artigos de decoração.

Loja no Mercado Público de Florianópolis

Gabi apaixonada pelas pantufas no Mercado Plúbico de Florianópolis.

O restaurante mais badalado do Mercado, é o Box 32, sendo um dos bares mais famosos da cidade de Florianópolis. Como não experimentamos, vou ficar devendo mais informações.

Um pouco mais adiante, entramos no Camelódromo de Florianópolis.  Pense num mundo de bugigangas?! Hehehe… Então este é o lugar. Ideal para encontrar algumas capinhas de Smartphone entre outros acessórios.

Chegávamos o fim do dia. Já cansados, resolvemos voltar ao Hotel para descaçar e comer algo mais a noite para dormir cedo. A prova da Gabi se aproximava e o principal motivo de nossa viagem era esse. Deixo para contar no próximo post (que juro, não irá demorar tanto quanto este), nosso passeio pelas Dunas de Joaquina e Lagoa da Conceição, com algumas dicas de restaurantes, locação de carro em Florianópolis entre outras.

Até logo…

 

 


Viajantes, corram!!!

A Google acaba de comprar o app Word Lens e liberá-lo gratuitamente por tempo limitado.

O Word Lens nada mais é do que um aplicativo impressionante que realiza a tradução de línguas estrangeiras em tempo real utilizando-se da câmera do seu Smartphone (Iphone e Androide).

O app Word Lens foi criado ainda em 2010 pela empresa Quest Visual. A época de sua criação, a descrença seria o melhor adjetivo para qualificá-lo. Um aplicativo que conseguiria traduzir diversos idiomas em tempo real, usando apenas a câmera de um Smartphone? Bem, o app chamou tanto a atenção das grandes empresas que acaba de ser comprado por alguns milhões pela Google. 

Imaginem-se viajando para um país com língua bem complexa! Basta apontar seu celular para placas, cardápios, revistas, mapas e VOILÀ: as palavras são traduzidas instantaneamente na tela de seu aparelho!

Atualmente, os usuários podem traduzir entre Inglês e  as línguas Português, Alemão, Italiano, Francês, Russo e Espanhol. 

E fica muito fácil entender porque o Google comprou o App. Já imaginaram esse aplicativo instalado no Google Glass? Onde basta você olhar para um local com os óculos e já enxergá-lo “traduzido instantaneamente”!?!?! Com este app, isso já é possível, ou seja, a Google caminha a passos largos para atingir seu objetivo de tornar o mundo inteiro conectável e traduzido.

E talvez o maior de todos os benefícios do app? Ele não precisa de uma conexão na internet para realizar as traduções! A maior vantagem para viajantes que por muitas vezes não conseguem traduzir algo pela falta de sinal de internet.

Mas o Word Lens não é perfeito. Tem alguma dificuldade para traduzir textos especialmente estilizados, e as traduções por vezes aparecerão com alguns erros ocasionais, assim como o próprio Google Translation. No entanto, em sua maioria, ele irá conseguir ao menos lhe fazer entender a tradução. Melhor entender uma placa má traduzida, do que uma placa em Russo, certo? Hehehe… 
Busca Visual

Crédito: Quest Visual

Até agora a Google não está cobrando pelo download do app, que foi anunciado no site da Quest Visual. Nem ela nem a Google dão maiores detalhes sobre o futuro reservado ao Word Lens, e dizem apenas que o aplicativo e os pacotes de linguagem são “gratuitos para download por tempo limitado”. Esses pacotes de idiomas anteriormente custavam U$ 3,00 cada.

O aplicativo pode ser baixado na App Store para o Iphone e Ipad. As traduções estão disponíveis através de uma compra dentro do próprio app e como mencionado, ainda estão gratuitas.  Também está disponível no Google Play Store para usuários Android. Como não se sabe por quanto tempo o Word Lens ficará disponível gratuitamente, é recomendável que você faça o download o quanto antes. Sem sombra de duvidas, pele passa a ser um App indispensável aos viajantes.

 Baixou o App? Utilizou o Word Lens em alguma situação ou ele te ajudou de alguma forma na sua viagem? Conte p/ gente nos comentários abaixo!